Sense 8; o público e o privado parte 1.

DestacadoSense 8; o público e o privado parte 1.

É sintomático que a Netflix tenha escutado o público e dado um desfecho à série Sense 8, cujo episódio final é quase um filme (ou uma terceira temporada que foi cancelada). O mercado de seriados movimentou a industria cinematográfica na TV a cabo de forma bem diferente de quando chegou o on demand. Na decada de 90 os seriados tinham um orçamento ínfimo se comparados com as grandes produções de hollywood. Com o surgimento das plataformas de streaming tudo mudou. (e tiveram várias series canceladas que os fãns ficaram órfãos).

O episódio final de Sense 8 significa que o diálogo entre o público (no sentido de consumidor) e o setor privado (no sentido de propriedade) já não mais segue o modelo vertical da comunicação de massa, em que emissor está em uma posição de dominação para com o receptor. Há resistência.

MemeNews

MemeNews

Semestre passado terminei as disciplinas do doutorado. Tecnicamente foi em março, já que fiz uma a mais a de Introdução à Democracia Digital do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital.  Também qualifiquei em março, ou seja, sensação de – meio – dever cumprido. Decidi que era a hora de buscar um freela para ajudar nas contas e botar a cara no sol (o medo de ficar 4 anos no doutorado e depois voltar para o mercado).  Procurei algumas coisas e acabei sendo selecionada para um projeto super bacana, o MemeNews.  Hoje saiu um especial com a agência Lupa, que adorei fazer, até porque tem tudo a ver com o doutorado. O projeto, que vai até agosto, foi idealizado por uma turma muito boa. E sobretudo uma experiência incrível de trabalhar com jornalismo e humor.

Glossário para democracia digital

Glossário para democracia digital

Estou construindo um glossário de termos técnicos que podem não ser muito óbvios para pessoas que não são da área das ciências exatas, em especial pesquisadores/as de democracia digital da área de humanas (comunicação, ciência política, etc). Então ajudem aí nos comentários por favor!

 

algoritmo
big data, bit, blochain, bitcoin
css, criptografia, cpu, C
datacenter, dns, drm
ethernet 
facebook
google
html, http
internet das coisas
Java, Javascript
k
l
m
nuvem, neutralidade de rede
open source
Python, PHP
q
user
r
software livre, streaming
v
www, web
zetabite

Artigo: Feminismo, pornografia e Internet

Artigo: Feminismo, pornografia e Internet

Este semestre fiz, na faculdade de comunicação a disciplina ‘Políticas de privacidade e Transparência digitais’ e, no IPOL a disciplina Gênero e Política.  Como sempre, artigos saindo do forno. Gostei muito de pesquisar privacidade a partir da temática da pornografia na internet. Abaixo compartilho o resumo do artigo, que espero publicar em alguma revista acadêmica nos próximos meses.

Continuar lendo “Artigo: Feminismo, pornografia e Internet”

Artigo publicado: Autonomia e privacidade no ambiente digital

Artigo publicado: Autonomia e privacidade no ambiente digital

Há quase um ano terminava de escrever o artigo da disciplina de Teorias da Democracia, que posteriormente foi aceito para publicação e já se encontra online aqui, com DOI, ISBN e tudo mais. Curiosamente segui trabalhando com o tema na disciplina de Gênero e Política, mas desta vez relacionando a privacidade com a cultura do compartilhamento a partir do debate sobre a pornografia. Espero publicar este também! Continuar lendo “Artigo publicado: Autonomia e privacidade no ambiente digital”

Balaio Brasília

Há um ano o Balaio Café fechava suas portas. Na manhã seguinte de uma noite linda, macumbeira e cheia de energia tinha programado a internet para publicar esse post. Agradecendo Juliana, João e José (e Gil, pelo domingo no parque).

Mas eis que o inesperado tomou conta de tudo. Na manhã seguinte como todo dia fui levar as crianças na escola, escutando meu radinho de pilha pós moderno e… tentaram prender um ex presidente da república tupiniquim do brasil. semanas INTENSAS, se prosseguiram até o desfecho. que eu não sei  qual será, já que estou subvertendo a ideia de tempo ao programar uma publicação para o futuro.

 

segue rascunho original

 

A cidade acordou hoje mais opaca, mais sem graça e mais careta. O Balaio Café, reduto da boêmia e da cultura libertária, fechou as portas. E desta vez parece que definitivamente. Pode ser visto na praça dos prazeres, podada, sem plantas e com as paredes pálidas.

Com isso, as pessoas e a cidade perdem um dos estabelecimentos mais agregadores do plano piloto, por onde passaram muitos visitantes temporários e permanentes e de onde nasceram muito coletivos, amores e micro revoluções.

Só tenho a agradecer a Jul Pagul, que conheci bem antes do Balaio, por resistir estes dez anos à frente dos balcões mais diversos e divertidos dessa capital. E desejar que seus próximos empreendimentos sejam tão felizes como nós fomos no Balaio.

O Balaio me ensinou a gostar de Brasília. Vim aqui na capital pela primeira vez para o Corpus Crisis, evento organizado pelas feministas da cidade, inspirado no Carnaval Revolução, que fazíamos em BH lá por 2002, 2003. Na ocasião Jul disse, “vou abrir um café em alguns meses”. Dito e feito. Nos próximos retornos à cidade o Balaio era ponto de encontro.

Importante ressaltar que de inicio detestei Brasília. Achava tudo igual e me perdia nas superquadras. Não entendia a lógica das superquadras. Quando me mudei para cá, há dois anos, a localização do Balaio influenciou diretamente na escolha do apartamento. Íamos a pé.

 

Aula sobre Internet e política

Aula sobre Internet e política

Este semestre fiz estágio docente na disciplina Mídia e Política (PDF), da graduação em ciência política da UnB, com o professor Luis Felipe Miguel.

Na última sexta feira dei a aula sobre Internet e  política em formato de aula pública na ocupação da reitoria da Unb.

Compartilho abaixo as notas e alguns links. Sugestões e comentários são bem vindos. Minha ideia é futuramente construir uma ementa de disciplina para aprofundar sobre o tema.

Aula: As novas tecnologias e a crise do jornalismo. Democratização ou anomia?

Três grandes fases da Internet

Era pré Web: Internet restrita a meios acadêmicos e militares. Pessoas precisavam ter um alto conhecimento técnico para utilizá-la. O filme Jogos de Guerra (WarGames – 1993) ilustra bem esta época.

Era de “ouro”; o surgimento da Web. A partir da década de 1990 marcada por novos protocolos, a interface gráfica e aplicações hoje consolidadas como Google, Blogs, Youtube, etc. Pessoas com conhecimento técnico intermediário utilizando. O seriado Halt and Catch Fire (2014) narra muito bem a passagem da primeira era para a segunda.

Era atual – centralidade (bolhas), vigilância (comercialização de dados pessoais) e aproximação com meios de comunicação de massa – Seriado Mr. Robot (2015) demonstra bem o status atual da rede. Crianças utilizam a Internet sem dificuldades.

Continuar lendo “Aula sobre Internet e política”