Diamantina: Na fronteira entre o novo e o tradicional

Diamantina: Na fronteira entre o novo e o tradicional

Originalmente publicado no blog da Ação Cultura Digital do Ministério da Cultura.

Diamantina. Patrimônio Cultural da Humanidade. Bem no meio do cartão postal, na rua da Glória, emergem manifestações culturais da periferia negra da cidade. É o “Ponto de Cultura nas Trilhas da Cidadania Cultural”. “Às vezes acho que não é nem trilha é pique, porque é muito difícil abrir clareiras por aqui”, conta Márcia Betânia, gestora e uma das idealizadoras do projeto.

diamantina 2007Era preciso dar espaço para as novas linguagens e novas formas de expressão que surgiam na cidade. Grupos de hip hop, capoeira, percussão, funk, grafitti, entre outros. Márcia teve a percepção de que havia redes sociais emergindo “ainda que num primeiro momento de forma desarticulada” nos diversos bairros da periferia. Os grupos foram convidados a participar da construção, manutenção e autonomia do Ponto de Cultura.

Os Pontos de Cultura, instituições responsáveis por fomentar a cultura local, foram selecionados a partir de 2004 por meio do edital público Cultura Viva do Ministério da Cultura (MinC). Há hoje mais de quinhentas instituições conveniadas, em todas as regiões do país, que recebem verbas de até 150 mil reais com o objetivo de produzir e documentar manifestações culturais populares. A expectativa, de acordo com o MinC, é que até o final do segundo mandato do governo Lula, o número de Pontos de Cultura chegue a vinte mil. Continuar lendo “Diamantina: Na fronteira entre o novo e o tradicional”