A resistência e a dimensão cidadã da cultura

A resistência e a dimensão cidadã da cultura

Hoje (24/05) toma posse o ministro interino da cultura com 21 espaços do MinC ocupados por artistas, jovens e todo o tipo de gente indignada com o governo interino.

Alguns analistas podem achar ridículo, ou até mesmo irrelevante, a discussão sobre a extinção de pastas que representam minorias como a cultura, mulheres, igualdade racial e direitos humanos, em um contexto tão anti democrático em que o país se encontra. Ainda mais um dia após a divulgação de grampo que levou a queda do ministro interino do planejamento três horas após publicação de editorial do Globo pedindo sua cabeça. Sem dúvida a mais grave das trapalhadas do governo em 12 dias.

A relevância das ocupações vem do fato de que, aliadas às escolas estaduais de Rio, São Paulo e Rio Grande do Sul, representam a resistência que tende a aumentar (só podemos supor, já que não são mais divulgadas pesquisas de opinião neste país!).

Este despertar cidadão da cultura muito tem a ver com o do in antropológico iniciado por Gilberto Gil à frente do MinC, entre 2003 e 2008. Continuar lendo “A resistência e a dimensão cidadã da cultura”

Reforma política – de junho de 2013 às eleições de 2018

Reforma política – de junho de 2013 às eleições de 2018

Sexta feira 13 de maio de 2016.

Antes de falar sobre hoje, é preciso olhar para três anos atrás, 2013, véspera da copa das confederações.

Por outro lado, mirar o início de 2019, quando supostamente um novo governo eleito iniciará seus trabalhos (se não houver caos e eleições adiantadas).

A perspectiva do passado e do futuro nos ajuda a entender o que ocorreu nas últimas semanas no Congresso Nacional Brasileiro. Continuar lendo “Reforma política – de junho de 2013 às eleições de 2018”

Parabéns Brasil!

Parabéns pela ordem e progresso, Brasil! Assim seguiremos adiante e vamos ultrapassar “a maior crise que este país já enfrentou”.

Vamos também ser comparados com o Paraguai e Honduras daqui para frente, em uma chacota neocolonialista de “república das bananas”. 7×1. Não tem mais volta, os alemães debocharam ainda mais dessa vez (http://goo.gl/iZozx4)!

A ordem está posta: a elite masculina branca e corrupta, promoverá o progresso “que o Brasil precisa para superar a crise” em um projeto neoliberal, autoritário e sem diálogo com a população (https://t.co/7QnciNqgfc).

Não vai ter mais ‘pobre’ em avião! (E possivelmente classe média também não). É o fim da tentativa de promoção de igualdade social. Boa sorte Brasil!

PS: copiado do post do facebook. que nunca faço, mas hoje passou dos limites.