Democracia 3.0: Interação entre governos e cidadãos mediada por tecnologias digitais

Agora sou mestra em design! Melhor, em design de informação e interação! O PDF do trabalho já está online aqui. Foram dois anos muito bem vividos, parte em BH, parte aqui em Brasília. A Universidade de Brasília foi um universo magnífico de criatividade e liberdade. Um campus aberto, sem cercas, em uma cidade que aprendi a gostar. Abaixo o vídeo da defesa na banca e os slides de apresentação.

Série de documentários sobre códigos criativos

Série de documentários sobre códigos criativos

Publicado originalmente no blog Design Livre.

O pessoal do Ultra Lab, da Espanha, lançou semana passada o primeiro documentário da série sobre códigos criativos, que tratará de três linguagens de programação livres: processing, open frameworks e Pure Data. Vale muito a pena assistir. Além das referências sobre a evolução da computação, o primeiro documentário mostra um pouco das possibilidades criativas dos software livres e da importância dos códigos abertos. O que para minha pesquisa é extremamente relevante. De fato, enviei artigo sobre o assunto para a Revista Texto Livre, da FALE UFMG. No aguardo para ver se será aprovado para publicação!

hello world

Narativas Audiovisuais

Narativas Audiovisuais

Estive em março em Olivença no interior da Bahia, por uma semana, trabalhando narrativas audiovisuais com indígenas Tubinambás. O convite fez parte das atividades de formação do Oca Digital, projeto da ONG Thydèwá, em parceria com a Fundação Telefônica.

Confiram a animação com massa de modelar que produzimos. Ciclo da Terra – 2012 – Produzido colaborativamente na Oficina de Narrativas Audiovisuais que ministrei no Oca Digital.

Na época produzimos também video sobre Pintura Corporal Tubinambá. O melhor de tudo é ver que meses depois o canal está recheado de relatos e outras experiências de diversas pessoas que por lá passaram. Longa vida aos Tupinambás de Olivença!

Animando Conteúdos Educacionais com Gimp

Animando Conteúdos Educacionais com Gimp – Neste post publico algumas das dezenas de animações animações produzidas em Gimp, na Oficina de Stop Motion, que realizei no Núcleo Amigo do Professor, do Plug Minas. As oficinas aconteceram em 2010, com 4 horas e, em 2011, 8 horas de duração.

Logo em breve publicarei um artigo falando dessa experiência e de outras, como a oficina de Narrativas Audiovisuais, que fiz este mês no Oca Digital.

Continuar lendo “Animando Conteúdos Educacionais com Gimp”

Trampos paulistas

Nunca iria imaginar que após tanto tempo fora de São Paulo os anos que morei por lá ainda gerariam frutos em pleno 2011. Este ano algo inédito está acontecendo: dois trabalhos antes mesmo do carnaval e alguns outros já engatilhados para os próximos meses. Tudo de Sampa, de gente que trabalhou direta ou indiretamente comigo.
Pois um destes trabalhos foi com Angel, com quem adorei trabalhar na cobertura e no documentário da Teia 2008.
Foi uma cobertura/documentário sobre uma rede de instituições articuladas pelo Aracati, que também é Ponto de Cultura.
Sobre os outros trabalhos conto mais logo em breve!

Diamantina: Na fronteira entre o novo e o tradicional

Diamantina: Na fronteira entre o novo e o tradicional

Originalmente publicado no blog da Ação Cultura Digital do Ministério da Cultura.

Diamantina. Patrimônio Cultural da Humanidade. Bem no meio do cartão postal, na rua da Glória, emergem manifestações culturais da periferia negra da cidade. É o “Ponto de Cultura nas Trilhas da Cidadania Cultural”. “Às vezes acho que não é nem trilha é pique, porque é muito difícil abrir clareiras por aqui”, conta Márcia Betânia, gestora e uma das idealizadoras do projeto.

diamantina 2007Era preciso dar espaço para as novas linguagens e novas formas de expressão que surgiam na cidade. Grupos de hip hop, capoeira, percussão, funk, grafitti, entre outros. Márcia teve a percepção de que havia redes sociais emergindo “ainda que num primeiro momento de forma desarticulada” nos diversos bairros da periferia. Os grupos foram convidados a participar da construção, manutenção e autonomia do Ponto de Cultura.

Os Pontos de Cultura, instituições responsáveis por fomentar a cultura local, foram selecionados a partir de 2004 por meio do edital público Cultura Viva do Ministério da Cultura (MinC). Há hoje mais de quinhentas instituições conveniadas, em todas as regiões do país, que recebem verbas de até 150 mil reais com o objetivo de produzir e documentar manifestações culturais populares. A expectativa, de acordo com o MinC, é que até o final do segundo mandato do governo Lula, o número de Pontos de Cultura chegue a vinte mil. Continuar lendo “Diamantina: Na fronteira entre o novo e o tradicional”