Usabilidade no desenvolvimento ágil

Outro sábado comentaram que se vê por aí poucos artigos sobre usabilidade e desenvolvimento ágil. Foi aí que me lembrei que havia escrito justamente sobre o tema no trabalho final da disciplina de usabilidade, do Caio. Fiz uns ajustes que ele havia recomendado e publico abaixo o artigo no aguardo de comentários.

Sumário

Desde o lançamento do Manifesto Ágil, em 2001, os tradicionais processos de desenvolvimento de software vêem modificando-se e adaptando-se às necessidades do mercado e das empresas visando produtos de qualidade e retorno dos investimentos. Aliado a este cenário, o design de interação desponta com metas de usabilidade e experiência do usuário que buscam satisfação das pessoas por meio de programas feitos com design centrado na humanidade. Neste contexto, ressaltamos as interceções do método ágil de desenvolvimento de software e o design de interação, analisamos como o design de interação pode aumentar o retorno de investimentos em projetos de software com métodos ágeis a partir da revisão da literatura e concluímos apontando algumas práticas que podem ser incorporadas pelas empresas de pequeno e médio porte.

Palavras chave: usabilidade, retorno do investimento, metodologias ágeis, design de interação, design centrado no usuário

Continuar lendo “Usabilidade no desenvolvimento ágil”

No limite da perda da inocência

…(Post psicodélico sobre música e infância) …
Sugere-ser descubrir-se de pre-conceitos antes de ler

Viva que as crianças têm apenas cinco anos, muita maleabilidade, pouca maldade, muita inteligência e ingenuidade!! Dizem que está acabando a onda da ‘pureza’, mas tamos de boa no sentido da tentativa de preservação da infância/ingenuidade – que é uma criação moderna incorporada nos direitos humanos – mas ao pé da letra significa uma certa preservação com relação as neuras do mundo ‘adulto’.
Como a idéia em filosofar sobre desenvolvimnto humano normalmente é equiparado a gênero faço somente uma ‘músicomenagem’/provocação pra confundir tudo!
Porque meninos podem usar colares e saias e meninas podem brincar de construção! Mil anos que já num tamos na onda de gênero binário…
Mesmo assim parece surpreendente, provocativo e relativamente inovador essa doidera de desconstruir brinquedos pra criar monstros (engenharia reversa totales!)?

(uma engenharia reversa crítica do capitalismo???) Se também te incomodou vale a pena assistir o making off
Continuar lendo “No limite da perda da inocência”

Fórum de Governança da Internet

O Fórum de Governança da Internet é um daqueles encontros de muita articulação, onde se conhece muita gente e sobretudo se ouve falar dos assuntos que em algum tempo serão amplamente discutidos.

Em 2007, logo após a TEIA ocorreu o IGF no Rio de Janeiro que contou também com um evento paralelo no Circo Voador. Em meio a correria de dois grandes eventos recebi um convite da APC Women para participar em uma mesa sobre regulação de conteúdo na internet. Minha fala deveria ser do ponto de vista de uma usuária, pois havia também gente de provedores de conteúdo e outros “papéis”. Na parte da manhã o Gil havia falado no mesmo local em português, mas na parte da tarde, quando eu iria participar tinha que ser em inglês (ainda bem q Tori me ajudou : )

Estávamos no evento na Lapa com o Circo Voador e o IGF era na Barra, mesmo assim contei com a presença de bons amigos que deram aquele apoio moral, pois a fala foi no mínimo provocadora (aqui tradução) e teve grande repercussão no sentido que gerou muita discussão. Ao ponto de um inglês que não me lembro o nome trazer a tona o velho argumento sobre pedofilia e bagunçar geral o auditório. Foi bem divertido, mas lembro que comentamos que provavelmente me tornaria persona non grata nos IGFs devido a fala provocativa.

Eis que final de agosto o Itamaraty tenta entrar em contato comigo justamente para ir para o IGF de 2010 que começa semana que vem na Lituânia, para falar sobre a internet como um instrumento para democracia.

Convite IGF - clique para ampliar

Continuar lendo “Fórum de Governança da Internet”

Interfaces Fluídas

Semana passada rolou a primeira aula com o koji, que sem dúvida seria no mínimo interessante.
E foi realmente muito legal. Entre outras coisas ele deu o toque da pesquisa sobre interfaces fluídas que acontece no MIT sob a coordenação da belga Pattie Maes, cujo um dos orientandos é o indiano Pranav Mistry, que além de desenvolver aquele lance do mouse de dedos, portou as possibilidades tecnológicas da realidade aumentada para o cotidiano com o projeto Sexto Sentido. Sinta la crocância dessa realidade aumentada:

Subtropicalismo ainda que tardia

Tô indo pra 7ª edição do festival Submidialogia — subtropicalismo ainda que tardia. O evento ocorrerá em Paranaguá (PR/Brasil) entre os dias 04 a 08 de setembro de 2010 com o objetivo de promover mais uma vez o encontro de alta complexidade simbólica entre culturas populares e cibercultura; no caso a lutheria da casa Mandicuera e o hacking politico e gambiarras truquenológicas de orquestra organismo, panetone, chgp, habib, fabib, entre outrxs.

O evento financiado pela maior indústria petrolífera do país ocorre justamente em um local onde as pessoas vivem as consequencias (e delírios) derivados de um acidente ambiental operado pela instituição finaciadora.

Interessante notar como as gerações registraram o ocorrido na composição “Moda do peixe morto” abaixo interpretada;